Dinheiro é guardado em sapato, vai parar em lixão de Maranguape e acaba recuperado pela família

Comerciante de 67 anos costumava juntar dinheiro e guardar em um sapato velho, que foi jogado fora por engano

Dinheiro é guardado em sapato, vai parar em lixão de Maranguape e acaba recuperado pela família
Foto: Reprodução TV Verdes Mares

Um comerciante de 67 anos de Umarizeiras, distrito de Maranguape, na Grande Fortaleza, viu todo seu pé de meia literalmente ir para o lixo, após um descuido da filha. Grande quantia em dinheiro, com valor não revelado por questões de segurança, acabou sendo recuperado horas depois, graças aos esforços da própria família. 

O caso aconteceu no último dia 19 de abril. Para se precaver de assaltos, Nilo Lauriano de Matos, conhecido como Seu Nilo, costumava esconder todo o apurado de vendas em um sapato velho, guardado dentro de uma caixa. 

"Era um canto mais escondido, difícil de a pessoa procurar. E só quem sabia era eu e minha mulher", disse ele, em entrevista ao CETV 1ª edição, da TV Verdes Mares

Certo dia, a filha dele, a manicure Vaninha Matos, fez uma faxina na casa da família e, diante das más condições do sapato, jogou o calçado e a caixa no lixo, com o dinheiro junto.

 

 
"Fui fazer uma faxina e encontrei uma caixa velha. Dentro dessa caixa tinha um sapato que nem solado tinha mais, então achei que ele não fosse mais usar, que não precisasse mais, peguei e joguei no lixo", comentou. 

 

Dois dias depois, a coleta de lixo passou no endereço da família no começo da manhã e todo o dinheiro de Seu Nilo foi levado pela caçamba. Apenas seis horas depois, ao tentar pegar parte da quantia para fazer um pagamento, ele percebeu que a caixa havia sumido.

Ao saber do engano, Vaninha ficou desesperada. "Eu fiquei paralisada total. A pessoa passar anos lutando pra do nada o carro do lixo levar. Foi triste", comentou a filha. 

A família, então, se mobilizou para descobrir para onde a coleta de lixo é levada e, após alguns telefonemas, descobriu estar no aterro sanitário que atende o município de Maranguape, distante cerca de 30 km da casa de Seu Nilo.

Catadores vasculharam lixão

No local, a família contou com ajuda do reciclador Francisco Carlos para encontrar o dinheiro, em meio a toneladas de resíduos sólidos. Nilo sabia se tratar de uma missão difícil, já que além da grande área a ser vasculhada, o local recebe ao longo do dia cerca de 55 catadores, que recolhem parte do material. 

No entanto, depois de muito lixo sendo jogado para cima, o dinheiro do comerciante foi encontrado, com apenas meia hora de buscas. "Foi um milagre muito grande que aconteceu nas nossas vidas, só Deus pra explicar", disse a filha. "Foi uma alegria muito grande, graças a Deus deu certo", desabafou, aliviado, Seu Nilo.

 

Por: Diário do Nordeste