Com preços nas alturas, brasileiros compram menos

IPCA-15 é o mais alto dos últimos anos

Com preços nas alturas, brasileiros compram menos
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Com a prévia da inflação oficial de abril na marca de 1,73%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), encontrar produtos com preços acessíveis virou tarefa difícil para o brasileiro.

A cesta básica de Fortaleza sofreu uma alta de 4,17%, em março de 2022, em relação ao mês de fevereiro, e chegou a R$ 635,02. Os itens mais caros, levando-se em conta a variação mensal, são o óleo, tomate e a banana, produtos comuns na mesa das famílias, mas que agora estão cada vez mais raros por conta dos aumentos.

O cenário não melhora, se considerada a divulgação do IPCA-15 de abril, na marca de 1,73%. O índice mede a inflação do Brasil. Carlos Belo, aposentado de 61 anos, já não consegue mais achar produtos no supermercado com o preço próximo ao que ele encontrava no ano passado.

Nos últimos tempos a inflação vem subindo muito e vem prejudicando muito a qualidade de vida de todos nós, brasileiros. Não podemos mais fazer compras de mês em supermercado e temos que ficar aproveitando as promoções de cada mercado que vai nos oferecendo para poder comprar um melhor produto. Ainda mais com essa guerra entre a Rússia e Ucrânia, aonde os insumos vêm de lá da Rússia, fez com que aumentasse assustadoramente a inflação no Brasil.

A dificuldade que Carlos passa na hora das compras é confirmada pelo IPCA-15, divulgado pelo IBGE. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, que é considerado uma prévia da inflação oficial do Brasil, ficou em 1,73% no mês de abril. Essa é a maior taxa para o mês, desde 1995 quando se tornou 1,95%. Olhando os dados pelos últimos 12 meses, é possível observar que o IPCA-15 acumula alta de 12,03%. No ano, em média, os preços subiram 4,31%.

 

Por: Gcmais