Ceará abre mais de 3 mil postos de trabalho em março

Ceará abre mais de 3 mil postos de trabalho em março

O Ceará teve um crescimento de 3.368 postos de trabalho, o que representa o segundo melhor resultado do Nordeste para o período, atrás somente da Bahia (7.836). O nível de emprego formal variou positivamente (0,28%) e atingiu o total de 1,2 milhão de empregos com carteira, em março de 2022. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foram divulgados, nesta quinta-feira (28), pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social.

“Após o período de sazonalidade do mercado de trabalho, registrado no início do ano, percebemos a retomada das contratações com a geração de 8.925 postos de trabalho em 2022. Esperamos continuar nessa curva ascendente para garantir oportunidades aos trabalhadores cearenses,” analisa o presidente do IDT, Vladyson Viana.
O resultado decorreu de 44.502 admissões e 41.134 desligamentos e manteve a trajetória positiva, retomada em fevereiro. Os números foram puxados principalmente pelo setor de serviços (4.284).
Em termos territoriais, cabe mencionar que esse resultado foi puxado pela Capital, Fortaleza (3.449 novos empregos), seguida de Eusébio (239), Tejuçuoca (231), Crateús (185), dentre outros municípios.

BRASIL
O país registrou a criação líquida de 136 mil empregos com carteira assinada em março. Apesar do saldo positivo, os dados continuam registrando desaceleração em relação ao crescimento do ano passado e queda na média salarial dos contratados.

Os dados foram divulgados por meio do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), apresentado nesta quinta-feira (28) pelo Ministério do Trabalho e Previdência. O saldo do mês resulta de 1,95 milhão de contratações e 1,81 milhão de desligamentos.

Em janeiro, o resultado já havia sido 38% menor do que um ano antes. Em fevereiro, a queda foi de 17%. Para o ministério, a desaceleração em 2022 é natural após um 2021 de recuperação da economia.
O Ministério do Trabalho e Previdência afirma que os dados neste ano tendem a estar mais alinhados com o desempenho da atividade, em vez de estarem sob o efeito da retomada de 2021.
O mercado espera que o país cresça 0,65% neste ano, de acordo com o mais recente boletim Focus, que traz estimativas de analistas compiladas pelo Banco Central.

Após um crescimento em janeiro, os salários de admissão voltaram a cair –retomando a trajetória de quedas consecutivas registradas ao longo de 2021.

QUEDA NA RENDA
A remuneração média para quem foi contratado em março foi de R$ 1.872,07, queda real de 7,2% em relação a um ano antes. Segundo os técnicos, a menor remuneração é tradicionalmente observada em momentos de retomada do emprego.

Por: O Estadoce