"Seria uma tragédia para o Ceará outra onda de Covid", diz Camilo sobre festas de Réveillon e Carnaval

m evento das obras do novo Hospital da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual do Ceará (Uece), o governador reforçou preocupação diante da realização das festas de Revéillon e Carnaval.

Ogovernador Camilo Santana (PT) afirmou, nesta segunda-feira, 22, que uma eventual nova onda de Covid-19 seria uma "tragédia para o Ceará". Em evento das obras do novo Hospital da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual do Ceará (Uece), o petista reforçou suas publicações divulgadas neste domingo, 21, sobre a preocupação com o controle sanitário do público em uma eventual realização dos festejos de Revéillon e Carnaval

O governador reforçou sua posição pessoal contrária à realização dos festejos. "A minha posição  individual é contrária, neste momento, a qualquer tipo de festa que não haja controle absoluto ao acesso das pessoas. Estamos falando de espaços aberto que vão aglutinar 500 mil pessoas. Qual vai ser o nível de controle? E a preocupação por conta dos indicativos que a gente acompanha no mundo inteiro, aumentando os casos? Seria uma tragédia para o Ceará uma retomada de outra onda da Covid aqui", disse Camilo.

O petista reforçou que o assunto será submetido ao Comitê da Pandemia, que deve analisar todos os dados epidemiológicos e os números da vacinação, além das propostas apresentadas para a realização de festas. "Estamos com um grupo de trabalho avaliando. Isso vai ser definido pelo comitê estadual com critérios técnicos e científicas e nossa prioridade sempre será salvar vidas", disse. 

Amparado pelo decreto atual, Camilo lembrou que, no Ceará, apenas está autorizado eventos e festas sociais com limites de população e regras de controle, inclusive com a apresentação do passaporte de vacina, da mesma forma em que foi liberado o público para os estádios de futebol.

"Mas como vou controlar grandes festas abertas? Essa é a grande preocupação, como é o modelo das festas que a gente realiza, como o Carnaval. A minha posição contrária é, nesse momento, a preocupação do controle dessas festas, com bebida inclusive, e a gente não ter outra onda de pandemia no Ceará. É preciso ter prudência e responsabilidade", completou.

Por Opovo Online