Comprovante obrigatório faz população faltosa procurar D1 da vacina em Fortaleza

Medo de ser barrado em locais ou perder oportunidades de emprego devido a não ter se vacinado levou pessoas a procurarem tomar o imunizante

Comprovante obrigatório faz população faltosa procurar D1 da vacina em Fortaleza

Com a exigência do passaporte da vacina no Ceará, que entrou em vigor na segunda-feira, 22, cidadãos que ainda não tinham tomado a primeira dose do imunizante ou estavam com o esquema vacinal incompleto procuraram regularizar a situação. Neste sábado, 27, a fila formada no estacionamento do Centro de Eventos, em Fortaleza, não tinha apenas o público alvo da ação da Prefeitura no local, aqueles que deveriam tomar a dose de reforço. Pessoas que tentavam tomar a D1 e a D2 também estavam presentes.

Andreia Alves, 48, levou a filha de 30 anos para tomar o imunizante. Ela era a única da família que ainda não tinha se vacinado por ter fobia de agulhas. A obrigatoriedade do comprovante, segundo Andreia, foi decisiva para insistir que a filha fosse se vacinar. “Demos uma prensa nela. Como ela vai comigo num shopping, como vai pro estádio com o pai dela?”.

O medo da doença também foi motivo para Andreia reiterar a importância da vacina para a filha. “As coisas ainda não estão para brincadeira”, disse a salgadeira, que perdeu um familiar para a Covid-19 no fim de 2020.

O pedreiro Eber Santos Coelho, 34, também teve pressão da família para se vacinar. Apenas com a perspectiva de ser barrado na entrada do trabalho em um condomínio fechado, devido a exigência da vacina, que resolveu procurar um centro de vacinação e tomar o imunizante. “A data era marcada e eu não vinha, mas agora tem que vir porque se não não entra no trabalho”.

Eber tem um filho de 16 anos que já tomou as duas doses do imunizante, disponível para pessoas de 12 anos ou mais desde outubro. “Ele sempre perguntava ‘pai, você não vai tomar não?’”, relatou Eber.

Outra pessoa que procurou tomar a primeira dose da vacina neste sábado devido ao trabalho foi Eliete Costa, 34, costureira de confecção. “Eu estava em um trabalho temporário e agora querem mudar o contrato para efetivo, mas precisa ter a vacina”, disse. Mesmo ficando preocupada com a saúde por não estar vacinada, Eliete temia faltar o emprego para conseguir receber o imunizante. “Agora não trabalho mais aos sábados e vim”.

“Agora que estão pedindo comprovante nos cantos, tem que vir, é obrigatório”, disse Marilaque Gomes de Oliveira, 36. A dona de casa ainda não tinha tomado a primeira dose por ter perdido o dia marcado. Depois disso, não conseguiu achar tempo na rotina para procurar os pontos de vacinação. Os dois filhos adolescentes de Marilaque também tomaram a D1 há pouco tempo, pois foram levados pela escola para receber a vacina.

Esquema vacinal incompleto

Apesar do comprovante de vacinação de Renato Caio Loiola, 18, ainda não ter sido solicitado, a obrigatoriedade do passaporte fez com que ele encontrasse uma brecha no fim de semana para receber a segunda dose do imunizante Pfizer. O vendedor já estava fora da data limite, mas não conseguia procurar os pontos também devido às horas de trabalho, segundo ele.

Vanessa Costa, 36, também decidiu avançar no esquema vacinal neste sábado, já que fazia dois meses que deveria ter tomado a D2. “Eu trabalho na semana. Procurei nos postos de saúde perto da minha casa, mas nunca tinha”, disse a atendente de telemarketing.

Programação da vacinação neste fim de semana

Neste sábado e domingo, 28, pessoas que não tomaram a primeira dose da vacina podem se dirigir aos shoppings Iguatemi e RioMar Fortaleza. Adultos a partir de 18 anos também podem ser imunizados no Sesi da Parangaba.

Quem precisa tomar a segunda dose dos imunizantes também pode ir aos shoppings mencionados. Aqueles que devem tomar a D2 de Astrazeneca ou Coronavac também podem ir ao Sesi da Parangaba.

Já os idosos, imunossuprimidos e trabalhadores de saúde que precisam tomar a dose de reforço devem ir aos shoppings. Idosos também podem tomar a D3 no Centro de Eventos, pelo drive thru. Quem faz parte da população geral e perdeu agendamento da D3 também pode comparecer ao Centro de Eventos.

Os atendimentos são feitos das 9h às 17h em todos os pontos de vacinação. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) alerta que a população se dirija ao ponto específico para a sua situação vacinal. Apesar de locais como o Centro de Eventos terem doses extras para quem procura este ponto, não é possível garantir que todos serão atendidos caso não façam parte do público esperado na programação, segundo a pasta. A programação é publicada na aba da SMS no site da Prefeitura.

Por Opovo Online