Ceará avança na economia e deve crescer mais que o país

Ceará avança na economia e deve crescer mais que o país
Imagem ilustrativa

Mesmo com os desafios da pandemia de covid-19 em alta no ano passado, na contramão da média nacional, o Estado do Ceará cresceu em 2021 4,78% frente a 4,65% do país. Para 2022, a expectativa é de 6% de crescimento frente ao considerado valor pífio do país, que deve oscilar entre 0,5% e 1%.

Só no terceiro trimestre do ano, o Produto Interno Bruto (PIB) cearense cresceu 4,78%, superando a média nacional (4%). E os setores da indústria e de serviços puxaram essa elevação. No segundo trimestre do ano anterior (abril, maio e junho), o Ceará cresceu 3,25%, um resultado bem superior ao do Brasil, que caiu (-0,1%). Novamente, Indústria (5,04%) e Serviços (1,34%) puxaram a alta cearense. Os investimentos destinados à saúde e às ações de apoio às famílias cearenses desde o início da pandemia foram efetivos na performance estadual e contribuíram diretamente para que o Estado mantivesse o crescimento, mesmo impactado com a pandemia de Covid-19.

Hubs
O Ceará segue impulsionado pela integração de hubs do setor portuário, aeroportuária, tecnológico e de hidrogênio verde. A produção deve seguir no Complexo do Pecém com investimentos de 2 bilhões de dólares nos próximos anos, para a produção de cerca de 500.000 toneladas de hidrogênio verde por ano, que equivalem a cerca de 2,5 milhões de toneladas de amônia verde.

Desempenho
Segundo dados do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE), das quatro atividades do setor industrial (8,45%), o melhor desempenho no terceiro trimestre de 2021, em relação a igual período de 2020, ficou como segmento de Eletricidade, Gás e Água, com 48,96%; seguido pela Construção Civil, com 6,49%; transformação caiu -4,16% e Extrativa Mineral -18,65%. Já no segmento Serviços, dos seis setores/atividades, o de Transporte registrou maior índice, com 14,20%, seguido por Administração Pública, com 8,43%; Intermediação financeira, com 4,66%; Outros serviços, com 3,02%; Alojamento e alimentação, com 1,85%, e Comércio, com 1,10%

Além disso, o resultado da economia cearense no terceiro trimestre de 2021, em relação a igual trimestre de 2020, é consequência principalmente do forte crescimento do setor industrial (juntamente com serviços e agropecuária compõem o PIB), que atingiu 8,45%, superando em muito o desempenho nacional, de 1,3%. Já o segmento Serviços cearense, no mesmo período, cresceu 5,33%, ligeiramente abaixo do nacional, de 5,8%. A agropecuária (que tem menor peso no cálculo do PIB) passou por de-clínio de -9,07% no terceiro trimestre, um pouco menor que o nacional, de -9,0%. Comparando o ter-ceiro trimestre com o segundo trimestre de 2021, o Ceará apesentou os seguintes números: Indústria, com 5,04%; Serviços com 1,34%, e Agropecuária com -2,15%, contra, respectivamente, -0,2%, 0,7% e -2,8% do Brasil.

Por: O estado ce